Viagem

Projeto lembra a obsessão das pessoas em clicar, em vez de viver o momento

O fotógrafo Fábio Seixo fez uma série mostrando pessoas no ato de tirar suas fotos, e propõe refletir de que modo o ato de fotografar se tornou mais importante que a vivência do local.

Nunca fotografamos e fomos fotografados tanto quanto agora, a cada dia 300 milhões de fotos são postadas em redes sociais, e grande parte delas para mostrar às pessoas os lugares que estivemos e não necessariamente apreciamos.

O fotógrafo teve a ideia do projeto quando esteve no Museu do Louvre, e viu uma grande quantidade de pessoas se espremendo para fotografar o famoso quadro da Mona Lisa, e percebeu algo maior: a necessidade de se vivenciar, por meio da foto, a experiência do presente. “É uma imagem tão icônica quanto aquela de Che Guevara (feita por Alberto Korda em 1960). Pensei: ‘Nossa, que loucura. Será que as pessoas não conhecem a Mona Lisa?’ Então tive um estalo e vi que elas, na verdade, viajam muito mais para marcar território e dizer que estiveram lá do que para curtir a viagem, reflete.

fotografar-para-esquecer

A foto acima não faz parte do projeto, mas mostra a aglomeração das pessoas ao redor do emblemático quadro. Mas a necessidade de fotografar todos os passos de um evento não se restringe a museus: em shows isso também rola muito. Em vez de curtir o momento, a pessoa assiste tudo pela telinha do celular ou tablet. Ou seja – em nome de captar uma imagem, perde-se a beleza do momento.

photoland

photoland2

photoland3

photoland4

photoland5

photoland6

photoland7

photoland8

photoland9

photoland10

photoland11

Falando nisso, quem não se lembra da comparação que  circulou na internet da posse do Papa Bento XVI em 2005 (à esquerda) e do Papa Francisco este ano (à direita), que resume um pouco do que mostramos:

posses

[via] e [via]

Aprenda a ser um Nômade Digital

31.934 pessoas fazem parte de nosso grupo fechado de dicas por e-mail. É grátis!