Viagem

Guia Nômades Digitais: 5 programas para fazer no Rio de Janeiro fora das rotas turísticas tradicionais

O objetivo do quadro Guia Nômades Digitais é ajudar todos os viajantes espalhados por esse mundo afora, reunindo dicas de lugares imperdíveis em diferentes pontos do planeta e não tão conhecidos ou cheios de turistas, ajudando quem, mais do que guias, confia em pessoas. Com algumas edições já publicadas (veja todas aqui), estava faltando abrir espaço para o nosso Brasil, imenso e cheio de segredos e relíquias naturais. Começamos nossa viagem 100% nacional pelo Rio de Janeiro, com o Hans Reuter, mas prometemos não parar por aqui. Vem ler:

1. Trilhas

Como todos já sabem – e se não sabem, vão saber agora, por ser fácil de perceber – o Rio de Janeiro é repleto de montanhas e, com isso, diversas trilhas e locais para praticar esportes, como os meus preferidos: escalada e slackline. Apesar de, sem dúvida, muito bonitas algumas trilhas têm se tornado clichês no Rio, como a da Pedra Bonita, por exemplo. Se me perguntarem se vale a pena subir a Pedra Bonita, sem dúvida responderei que sim, mas recomendo vivamente o Morro dos Cabritos, na zona Sul do Rio, mais especificamente em Copacabana, repleto de trilhas, vias de escalada, vias de highline, espaço para slackline e, claro, um visual de tirar o fôlego.

Se não confia na minha dica, aqui vai uma referência que merece respeito: o slackliner Gideão Mello (do programa Slackline do CanalOff)  certamente indica o Morro dos Cabritos, afinal, o mesmo é responsável por diversas vias de escalada e de highline no local.

cabritos

cabritos1Na foto: Gideão Mello

2. Para quê bondinho?!

Uma dica simples, rápida e útil a muitos desavisados, sejam cariocas ou visitantes, é a das rotas alternativas ao acesso aos mirantes do Morro da Urca e do Pão de Açúcar.

Para o Morro da Urca, o acesso é bem fácil e deve ser realizado pela Pista Claudio Coutinho – obviamente na Urca. Siga pela pista até onde irá avistar algumas pessoas subindo por uma trilha e siga-as. Se por algum acaso não tiver ninguém, o que é difícil, seguindo pela pista, você irá avistar uma parte aberta na mata à sua esquerda e exatamente nessa abertura se inicia a trilha até o mirante do Morro da Urca.

Já a rota alternativa ao caro ingresso para o Pão de Açúcar irá requerer, talvez, um gasto – certamente menor que o do ingresso e com uma experiência mais emocionante. Esse acesso é realizado por uma trilha longa (por isso, vá preparado, leve comidas leves e bastante água), a qual pode ser iniciada no fim da Pista Claudio Coutinho. Para um caminho seguro, contrate um guia ou alguém que conheça a trilha e tenha equipamentos de escalada, em uma parte da trilha é necessário escalar um pequeno pedaço. Se não conhecer ninguém, fale comigo 🙂

Em ambos os locais é possível realizar atividades como escalada e rapel, além de desfrutar de um visual absurdamente bonito.

urca

urca2

OBS: Após as atividades na Urca, saindo da Pista Claudio Coutinho, caso esteja com fome e/ou sede, siga um pouco a frente, na calçada do estacionamento e vá na barraquinha da “tia Elza“. Não tenho fotos dela mas você saberá quem é. Ela faz um delicioso cachorro-quente e um saboroso cheeseburger.

3. Praias

Além de uma geografia cheia de montanhas, obviamente, o Rio de Janeiro é repleto de praias, comumente cheias. Entretanto, existem diversas praias que podem ser uma fuga aquelas mais clássicas – ou clichês – como as de Copacabana e Ipanema.

Ir a estas praias alternativas demandará tempo e energia, mas, afinal, nada na vida se faz sem algum esforço e o resultado vai compensar.

Tome nota:

A) Praia do Joá

PraiaJoaFoto via Apaixonados por Viagens

B) Praia da Macumba

PraiaMacumbaFoto: Reprodução

C) Praia da Reserva

PraiaReservaFoto via Navegar é Preciso

D) Praia Vermelha

PraiaVermelhaFoto via Rio Summer

4. Programas culturais

Uma cidade tão antiga como o Rio certamente possui muita história pra contar e exposições a serem vistas, o que significa que você não precisa ir sempre nas mesmas, podendo usar a enorme oferta cultural com alternativas a programas comuns e, normalmente, caros. É que, enquanto isso acontece, diversas casas de exposição e museus são esquecidos por guias, visitantes e até mesmo pelos cariocas.

Alguns desses locais são:

1) Casa Daros
2) Parque das Ruínas
3) Museu de Arte do Rio
4) Museu de Arte Moderna
5) Museu de Arte Contemporânea (Niterói)
6) Museu Casa do Pontal
7) Centro Cultural Banco do Brasil
8) Caixa Cultural

5. Noite

Além dos conhecidos locais para ir na noite carioca, como a Lapa (indico sempre o Carioca da Gema) e a rua das boates na Barra da Tijuca, há também o bastante conhecido Baixo Gávea (o qual enche nas quintas e domingos) e o cruzamento das ruas Bolívar e Domingos Ferreira em Copacabana. Nesse local existem diversos bares que você não deve perder, como o Bar do Adão (o melhor pastel que eu já comi é vendido lá), o Boteco da Garrafa (onde a cerveja está sempre gelada), dentre outros, que você terá de descobrir por você mesmo.

ass_hansreuter

Você pode acompanhar as aventuras de Hans no Instagram do projeto Rota Alternativa.

Outras fotos © Hans Reuter

guiand-grande




Aprenda a ser um Nômade Digital

31.934 pessoas fazem parte de nosso grupo fechado de dicas por e-mail. É grátis!