Brasileiros Viajantes

11 coisas que aprendi morando na China

Foi com a China que estreamos o quadro Brasileiros Viajantes (relembre aqui) e é a ela que hoje voltamos, para provar que não existem duas experiências iguais. Desta vez, a brasileira convidada é a Mayumi, que reúne as 11 coisas que aprendeu e mais a surpreenderam durante os quase 2 anos que viveu nesse imenso país. Vem ler:

Já visitei muitos países e morei por um tempo nos Estados Unidos. Mas, se tem um lugar que me ensinou muito, foi a China.

Hoje faz exatamente 2 anos desde o dia em que embarquei de corpo e alma na minha viagem para esse país gigante e superlotado. Apesar de ter passado muitos perrengues, só de olhar para as fotos e de lembrar das aventuras que vivenciei, dá um aperto no peito e uma vontade de voltar correndo (mesmo ciente de que eu levaria quase 2 dias pra chegar lá!).

Bom, vamos então às lições que a China me ensinou durante 1 ano e 8 meses que morei lá:

1. Nem tudo é o que parece

Infelizmente, isso vale especialmente para as comidas! Na foto abaixo eu estava tentando identificar o gosto de um molho. Até hoje não sei definir… Já aconteceu de uma linguiça ser doce, o “recheio de queijo” ser marshmallow, as “gotas de chocolate” do picolé serem feijão e por aí vai. O engano mais triste foi quando achei que tinha encontrado pão de queijo.

Mas as confusões não acontecem só com alimentos. É comum você achar que dois chineses estão brigando quando, na verdade, é só o jeito deles de conversar.

Outro dia achei que tinham roubado o tapete da porta do meu apartamento (pensamento típico de brasileiro!). Se não tivesse ido me informar na recepção, jamais teria descoberto que os funcionários do condomínio tinham tirado e guardado porque não era permitido deixar tapetes nos corredores. Custava ter batido na minha porta e dizer pra colocar pra dentro? Coisas de chineses!

China1

2. Nem todo mundo quer morar fora do seu país

No Brasil é muito comum encontrar gente que sonha com uma oportunidade de fazer as malas e se mudar de vez para outro país. Nos Estados Unidos e em muitos países europeus, costumamos ver muitas políticas para evitar que estrangeiros resolvam ficar por lá.

Por ter aprendido que os chineses têm um histórico sofrido (invasões, guerras, ditadura, superpopulação, política do filho único, poluição, baixos salários e etc), achava que essa vontade de morar no exterior deveria ser ainda maior entre os eles. Mas não. Ao questionar alguns amigos, eles falaram que não pensam em morar fora. Claro que eles têm vontade de conhecer outros países, mas só para passear. Eles justificam que gostam da sua cultura e que preferem morar e envelhecer na China mesmo.

Sim, muitas famílias da classe alta chinesa estão morando ou enviaram seus filhos para outros países. Mas isso é pra classe alta, né…

China2

3. O diferente não necessariamente é errado

Muitas pessoas têm mania de julgar hábitos diferentes. Na China aprendi que, muitas vezes, os errados da história podemos ser nós mesmos.

Os chineses comem pepino e outros legumes (foto abaixo) quando fazem atividades físicas. Tais alimentos refrescam e hidratam o corpo. Também tem a água quente (para beber substituindo a água gelada), que é mais saudável pois está mais próxima da temperatura do seu corpo, além de ajudar a eliminar gorduras.

Ainda sobre alimentos, os chineses não acreditaram na história de que precisamos de carne para conseguir proteína e que o leite de vaca é cheio de benefícios. Diferentemente da maioria dos outros países, eles estão mais do que certos. Lá não é comum ter bifes em todas as refeições nem leite no “café” da manhã (o café também não é muito bem aceito entre os chineses). É verdade que esses hábitos têm mudado um pouco devido à globalização e ao aumento da quantidade de estrangeiros morando na China. Porém, ainda assim, não é em qualquer vendinha que você encontra leite.

Outro hábito diferente (e, à primeira vista, cômico) é quanto à atividade física. Nas ruas da China, se vê várias pessoas batendo palmas e alongando os braços enquanto caminham. No final da tarde, é bem comum encontrar grupos que se reúnem para dançar. Qualquer espaço um pouquinho mais reservado também pode se transformar em quadra para uma partida de badminton.

Tudo isso é feito com o objetivo de mexer o esqueleto para garantir uma velhice mais saudável.

China3

4. Se você tem um amigo chinês, pode contar com ele

Eles são muito solícitos. Estão sempre dispostos a ajudar, principalmente os amigos estrangeiros. Eles sabem que encontramos muitas dificuldades e têm noção do quanto a vida na China é diferente dos outros países. Assim, estão sempre dispostos para fazer traduções, intermédio para comprar coisas pela internet, dar dicas de locais para encontrar o que procuramos, nos levar aonde não sabemos chegar sozinhos e por aí vai.

Na foto, um amigo que nos ajudou muito e a esposa dele. Eles nos convidaram para participar da janta de ano novo chinês com eles, uma das celebrações mais especiais do ano para os locais.

China4

5. Nós precisamos SIM de outras pessoas

Muitas viagens nos ensinam que devemos ser humildes. Na China, com as dificuldades de idioma e as diferenças culturais, não foram poucas as vezes que precisamos pedir ajuda.

No barquinho da foto estão duas meninas chinesas que fizeram o nosso passeio muito melhor. Além da agradável companhia, nos ajudaram a negociar e reservar um passeio turístico, alugar bicicletas e descobrir os caminhos que precisávamos percorrer para chegar aonde queríamos.

China5

6. Na China, os estrangeiros são como uma grande família

Mesmo com amigos chineses fazendo de tudo para agradar, é com os outros estrangeiros que nos sentimos “em casa”. É que os chineses costumam ter opiniões, formas de celebrar e formas de se organizar tão diferentes, que pessoas de quaisquer outras nacionalidades se sentem mais parecidas entre si. Normalmente, um amigo estrangeiro (principalmente brasileiro, obviamente) vai ter as mesmas dificuldades e reclamações que você, enquanto que um chinês nem notou que havia um problema. Os hábitos de diversão também são imensamente mais semelhantes entre os estrangeiros.

É por isso que as dicas dos melhores restaurantes, locais para morar e baladas acabam vindo dos amigos estrangeiros. As comemorações de Natal e Réveillon também reúnem praticamente só estrangeiros, já que chineses não celebram essas datas.

Ah, e nunca vi tanta gente de vários países morando no mesmo lugar como vi na China!

China6

7. Fique esperto, porque tudo lota!

É aqui que se sente fortemente os resultados da superpopulação. A foto é do metrô, que nos provava diariamente que sempre cabe mais um.

Já com passagens de trem e de ônibus (para viagens longas), não ocorre a mesma coisa. Quando há feriados, não importa muito para onde você quer ir, as passagens acabam com vários dias de antecedência à data de partida. Se encontrar alguma promoção de passagens aéreas, é melhor comprar rapidinho também.

O mesmo vale para shoppings, parques, praças, praias e qualquer outro ponto minimamente turístico. Não importa quando nem onde, a certeza é a mesma: vai estar lotado.

?????????????

8. Os salários não são tão baixos quanto se imagina

A margem de lucro de quem trabalha vendendo street food, por exemplo, não é muito alta mesmo, porque esse tipo de comida é super barato. No entanto, se formos considerar a quantidade de itens vendidos, deve dar uma boa quantia no final do dia. A demanda é tão grande (note que aqui a superpopulação é positiva) que os atendentes mal dão conta dos clientes.

Já nos escritórios, a média dos salários chineses (ao menos nos locais onde eu trabalhei) era maior do que um salário mínimo brasileiro. Estrangeiros ainda costumam ganhar duas, três, quatro ou mais vezes o salário dos chineses. Se for colocar na ponta do lápis, considere ainda que o custo de vida chinês é bem mais baixo.

Acredito que nos departamentos de produção das fábricas é que os salários sejam bem menores. E, muito provavelmente, é de lá que surgem os casos de exploração excessiva e até mesmo escravidão. É por isso que, para muitos chineses, trabalhar em escritório ainda é sinal de status. Mas essa situação está mudando! Os chineses estão cada vez mais qualificados e as fábricas estão tendo dificuldades para atrair funcionários.

Exif_JPEG_420

9. Não é porque ‘tá difícil que você não pode continuar

Como já comentei antes, os chineses são um povo que tem muito o que reclamar. São diversas as dificuldades que eles enfrentam diariamente. Mesmo assim, eles continuam dando o seu melhor. Se esforçam para aprender o que consideram que vai ser útil, fazem quantas horas extras forem necessárias e adaptam todo o seu estilo de vida dentro das suas possibilidades, sem ficarem se fazendo de vítimas ou contarem com a ajuda dos outros.

Vendo tudo isso acontecer do seu lado, você percebe que os seus problemas não são tão grandes. Assim como eles, você também pode. Aí começa a ser natural se esforçar um pouco mais em seja lá o que você fizer.

China9

10. Algumas coisas compensam (muito) a censura

Sim, acho absurdo ter a internet restrita em plena era digital e globalização intensa. Considero uma falta aos direitos humanos o fato de alguém não poder expressar suas opiniões, sejam elas políticas ou de qualquer outra natureza.

Mas já que não podemos ter tudo que queremos, que tal focar no que mais pesa? Eu prefiro enfrentar algumas restrições enquanto desfruto de outros benefícios. Na China, eu me sentia segura em qualquer bairro a qualquer hora. Eu tinha muitas opções de lazer e poder aquisitivo para aproveitá-las. Conseguia cruzar uma cidade gigante sem enfrentar congestionamentos e gastando pouquíssimo, porque o sistema de transporte público é excelente. Nunca senti necessidade de ter carro, até porque o táxi era super barato. Mesmo sem dominar o idioma local, tinha um nível (financeiro) de vida muito melhor do que em meu próprio país.

Não que a China seja perfeita ou que seja um mar de rosas morar lá. Só acho que vale a pena pensar várias vezes antes de criticar algo que não se conhece muito bem.

China10

11. Se posso morar na China, posso morar onde eu quiser

Por último, talvez a maior lição que a China me ensinou foi o gosto pela superação.

Enfrentar um idioma e uma cultura completamente diferente foi essencial nesse processo. Desafiar a mim mesma e superar todas as dificuldades me fez acreditar que, depois da China, posso morar aonde eu quiser. Mais do que me sentir psicologicamente preparada para desafios, prefiro o friozinho na barriga à monotonia de um dia a dia sem graça.

China11

Todas as fotos © Mayumi Tsuruyama

ass-mayumi

Você pode acompanhar as aventuras de Mayumi no seu projeto Mundo de Viajante ou através do Facebook.

faixa-brasileiros-grande




Aprenda a ser um Nômade Digital

31.934 pessoas fazem parte de nosso grupo fechado de dicas por e-mail. É grátis!